O uso da vírgula

Este post eu escrevi para uma publicação interna na empresa em que trabalho (Dextra) e decidi replicar aqui no blog.

O uso da vírgula parece complicado, mas não é tanto! Uma pesquisa rápida na internet e você encontra vários sites que mostram as regras de uso da vírgula – e suas exceções. Mas… todos esses sites tem um problema em comum: são chatos! É difícil entender as regras da forma como eles colocam, os exemplos são esquisitos, usam termos que só o professor de português da sexta série conhece.

Revisão rápida

Olha só como é fácil: lembra das partes básicas de uma frase? Vamos lá: sujeito, verbo, predicado.

Veja o exemplo:

Todos os colaboradores ganharam canecas personalizadas.

Sujeito: “Todos os colaboradores”

Verbo: “ganharam”

Predicado: “ganharam canecas personalizadas”

Regra 1: Não separe o verbo dos seus complementos

O verbo é um cara sociável, que não gosta de ficar sozinho. Ele já tem que se virar quando temos o sujeito oculto! Se ele é um verbo de ação que exige complemento, nunca coloque uma vírgula entre eles. Vamos tentar isso no nosso exemplo básico:

Todos os colaboradores ganharam, canecas personalizadas.

Imagina só alguém falando isso: “Todos os colaboradores ganharam (pausa) canecas personalizadas”. Primeira coisa que passa pela cabeça é “ganharam o quê?”. Esta é a dica pra saber se o verbo precisa de complemento. Se você parar a frase logo depois do verbo e ficar no ar a pergunta, ele precisa do complemento.

Regra 2: Não separe o sujeito do predicado

Além de sociável, o verbo é ciumento. Isso mesmo! Ele não gosta de vírgulas perto dele, separando ele do sujeito, do predicado ou de quem quer que seja. Olha só como ficaria nossa frase se fizéssemos isso:

Todos os colaboradores, ganharam canecas personalizadas.

Também fica estranho….

Regra 3: Separe os itens com vírgula

Vai listar vários itens na frase? Sua lista de compras, atividades do projeto, desenvolvedores da equipe, etc? Opa! Olha a vírgula aí!

Regra 4: Depois da reunião, descanso

Entendeu? Ok, tá tosco o exemplo. Mas, às vezes, queremos deixar nossa frase mais pomposa ou garantir o entendimento correto, e podemos usar a inversão para isso:

O HH será após a reunião no bar da coxinha. ou  Após a reunião, o HH será no bar da coxinha.

Sem dúvida o HH é que será no bar da coxinha, e não a reunião.

Regra 5: Aposto e Vocativo

Eita! Aposto e vocativo fugiu do básico, hein? Calma! Usamos isto o tempo inteiro e nem percebemos. Vamos lá:

Aposto é uma explicação no meio da frase principal, que agregue mais informação:

A Dextra, uma das melhores empresas para se trabalhar, possui escritórios em Campinas e Campo Grande.

Vocativo é uma forma de colocar alguém na frase que não é nem sujeito, nem predicado, como o nome da pessoa com quem você está falando:

Ih, Vanessa, vai com calma!

Truque de vestibular

Até que não tem muita regra, né? Os erros mais comuns estão nas regras 1 e 2. Para essas, tem um truque mágico dos cursinhos:

a. Após colocar as vírgulas: leia a frase em voz alta (ou só pra você, mesmo, também funciona) fazendo as pausas onde colocou a vírgula e veja se faz sentido.

b. Antes de colocar as vírgulas: leita a frase em voz alta (ou… ah, você já entendeu) e veja se as pausas naturais coincidem com a vírgula.

Se terminar a leitura ofegante, é porque está faltando vírgula em algum lugar.

Seja expert em gramática

Brasil Escola: http://www.brasilescola.com/gramatica/uso-da-virgula.htm

Só Português: http://www.soportugues.com.br/secoes/sint/

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s